O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE PROVIRON

Atenção: As mensagens contidas em todas as postagens aqui no nosso blog não possuem o objetivo de substituir orientação de um profissional (independente da sua área de atuação). O post é informativo. Qualquer rotina iniciada por conta própria é de responsabilidade SUA.


O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE PROVIRON

Quando se trata de musculação e desempenho atlético, falamos principalmente sobre

esteroides na forma de esteroides anabólicos androgênicos (AAS). Esses esteroides

incluem andrógenos naturais e sintéticos que são derivados ou baseados na

testosterona.


O componente anabólico relaciona-se, obviamente, com a promoção do crescimento muscular,

enquanto o aspecto androgênico relaciona-se com o desenvolvimento estimulado dos

atributos masculinos pelos quais a testosterona é responsável.


Se você é novo no mundo dos esteroides, começar com as injeções vai parecer

assustador; você pode até querer evitá-la completamente e selecionar apenas os

esteroides que são orais. Mas isso o limita a um pequeno número de esteroides

como Anavar e Dianabol e aqui que começamos a falar da mesterolona ou Proviron.


O Mesterolone, sob a marca Proviron, data da década de 1930, quando foi desenvolvido

por uma empresa farmacêutica. Este esteroide androgênico anabólico é um esteroide de

cutting útil para aqueles que sabem como aproveitar ao máximo este composto único.

Embora possa ser usado para ganho de massa, o proviron é usado principalmente em

ciclos de cutting. O Proviron é derivado da dihidrotestosterona (DHT) e é usado como um

esteroide oral.

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE PROVIRON

Pessoal antes de continuarmos com o post e antes que você decida começar a usar qualquer tipo de recurso ergogênico e gaste tubos de dinheiro em qualquer substância que você não tem garantia da procedência , sugerimos que você leia o livro digital: Guia dos venenos. O melhor anabolizante sempre será o conhecimento.


O E-book: Guia dos venenos tem diversas informações que você poderá usar sobre:

  • Os principais recursos hormonais

  • Informações sobre TPC

  • Dicas de como começar o seu 1º ciclo

  • Anabolizantes femininos

  • e muito mais

Material totalmente dedicado a esse tema. Você aprenderá MUITO e não terá mais que ficar caçando informação pela internet. Antes de tomar qualquer decisão sobre recursos ergogênicos sugiro que adquira esse e-book. Está no valor de 30 reais e ainda pode ser dividido em 3x com garantia de 7 dias.


Sejamos francos ,um valor ridiculamente barato e com informações ESSENCIAIS para quem realmente quer entender sobre esteroides anabolizantes de uma forma clara e objetiva.


É bem menos do que você gasta no final de semana com cerveja, por exemplo. Com a vantagem de que é um conhecimento que você terá eternamente.


Comprando o e-book você também ajuda nosso blog a crescer, então fica a dica ai para quem quer ajudar.


O proviron Possui capacidades masculinizantes e tem propriedades antiestrogênicas além de possuir uma excelente ligação com o SHBG. Apesar de fraca capacidade anabólica ele é muito explorado pelas suas capacidades antiestrogênicas e principalmente pelo o aumento da sua libido ou seu apetite sexual. Em resumo e de forma simplificada , o proviron vai deixar a sua testosterona total mais livre e , de forma biológica, mais eficiente.




Ok Academia Central Fitness, então eu vou ter texto livre certo? Certo. Então eu vou ter aumento de libido ? Sim , vai ter. Mas a testo livre também não é eficiente para u=o aumento de massa muscular ? Sim, e é por isso que em tese o proviron tem efeito estético. Porém como ele não é uma testosterona - ele pega a sua testosterona , basicamente falando, e faz ela funcionar melhor - se atribui um efeito muito fraco de anabolismo. Porque não é uma testosterona em grande quantidade. Então o poder estético sim, acontece com o proviron, mas geralmente indivíduos que fazem a sua utilização percebem melhora na qualidade estética muscular mas não em volume muscular já que a quantidade de testosterona que o seu coro vai ter a mis é bastante baixa e não é de testo total é de testo livre.


Uma das desvantagens e razões pelas quais o proviron não é um esteroide amplamente

utilizado é que, em comparação com outros compostos orais, o Proviron tem menor

biodisponibilidade. O Proviron tem efeitos androgênicos e estrogênicos relativamente

fracos em comparação com outros esteroides, e pode realmente fornecer alguns

benefícios antiestrogênicos moderados e justamente por isso seu efeitos colaterais também são bem moderados. Geralmente os usuários não relatam problemas muito elevados na sua utilização, na verdade para a maioria os colaterais passam despercebidos. Lembrando que qualquer intervenção farmacológica tem colaterais mas não são facilmente percebidos.



Uma vantagem do proviron é não ele não promove inibição do eixo HPT, talvez seja o único esteroide anabolizante que não promova essa inibição o que o faz ser muito utilizado na TPC porque le aumenta a testosterona livre e com isso vai minimizar suas perdas, e aumenta sua libido.


O proviron é bem utilizado por algumas pessoas como anti aromatizante mas ele não é altamente eficiente nesse quesito. Para essa função outros aromatizantes são infinitamente melhores que o proviron. Lembrando que o proviron não inibe a enzima aromatase, ele funciona de outra forma , reduzindo o números de sítios receptores do estrógeno que estão disponíveis momentaneamente disponíveis para ligação , reduzindo assim a atividade estrogênica. Na sequência algumas fraçoes de moléculas de aromatase em determinado momento não estarão disponíveis para se ligar a esses sítios e se converterem em testosteron pois esses locais estão ocupados pelo proviron.


Como o proviron é uma droga metilada ele não tem o metabolismo hepático muito danoso mas pode alterar a transaminase glutâmica pirúvica e oxalacética TGO e TGP.


A meia vida do proviron é de 12 horas e pode ser detectado de 5 a 6 semanas . Doses diárias de 50 a 75 mg sendo tomada uma vez por dia.


Mulheres também fazer a utilização de proviron mas não buscando volume mas sim de qualidade muscular , só que a sua utilização se dá em doses menores, de 25 a 50 mg com o risco de virilização basicamente zero.


SAIBA MAIS :


Então gostou dessa postagem?


SIM, NÃO , MAIS OU MENOS? Compartilhe com os amigos , mande-nos uma mensagem, siga-nos nas nossas redes sociais. Se você gostou dessa postagem deixe seu comentário, inscreva-se no nosso canal do youtube e siga a gente no Instagram. Se quiser, entre em contato conosco para ter a sua assessoria online.



REFERÊNCIAS:


  1. William Llewellyn (2011). Anabolizantes . Molecular Nutrition Llc. pp. 517–. ISBN 978-0-9828280-1-4.

  2. ^ Vá até:a b chttps://www.drugs.com/international/dromostanolone.html[ link morto permanente ]

  3. ^ Kicman AT (2008). Pharmacology of anabolic steroids . Br. J. Pharmacol . 154 (3): 502–21. doi : 10.1038 / bjp.2008.165 . PMC 2439524 . PMID 18500378 .

  4. ^ Vá até:a b Ringold, HJ; Batres, E .; Halpern, O .; Necoechea, E. (1959). "Steroids. CV.12-Methyl and 2-Hydroxymethylene-androstane Derivatives". Jornal da American Chemical Society. 81(2): 427–432. doi:10.1021 / ja01511a040. ISSN 0002-7863.

  5. ^ Vá até:a b William Andrew Publishing (22 de outubro de 2013). Pharmaceutical Manufacturing Encyclopedia, 3rd Edition . Elsevier. pp. 1402–. ISBN 978-0-8155-1856-3.

  6. ^ Vá até:a b Steven B. Karch, MD, FFFLM (21 de dezembro de 2006). Drug Abuse Handbook, Second Edition . CRC Press. pp. 30–. ISBN 978-1-4200-0346-8.

  7. ^ "Livro alaranjado: Produtos de droga aprovados com avaliações de equivalência terapêutica" . www.accessdata.fda.gov . Página visitada em 2016-03-15 .

  8. ^ "Drostanolona (PIM 901)" . www.inchem.org . Página visitada em 2016-03-15 .

  9. ^ Vá até:a b c d e J. Elks (14 de novembro de 2014). O Dicionário de Drogas: Dados Químicos: Dados Químicos, Estruturas e Bibliografias . Springer. pp. 652–. ISBN 978-1-4757-2085-3.

  10. ^ Vá até:a b c d e f g Index Nominum 2000: International Drug Directory . Taylor e Francis. Janeiro de 2000. pp. 377–. ISBN 978-3-88763-075-1.

  11. ^ Vá até:a b I.K. Morton; Judith M. Hall (6 de dezembro de 2012). Dicionário conciso de agentes farmacológicos: propriedades e sinônimos . Springer Science & Business Media. pp. 106–. ISBN 978-94-011-4439-1.

  12. Pedro Ruiz; Eric C. Strain (2011). Lowinson and Ruiz's Substance Abuse: A Comprehensive Textbook. Lippincott Williams & Wilkins. pp. 358–. ISBN 978-1-60547-277-5.

  13. ^ Jump up to:a b c d e f J. Elks (14 November 2014). The Dictionary of Drugs: Chemical Data: Chemical Data, Structures and Bibliographies. Springer. pp. 784–. ISBN 978-1-4757-2085-3.

  14. ^ Jump up to:a b c d e f g Index Nominum 2000: International Drug Directory. Taylor & Francis. 2000. pp. 659–661. ISBN 978-3-88763-075-1.

  15. ^ Jump up to:a b c I.K. Morton; Judith M. Hall (6 December 2012). Concise Dictionary of Pharmacological Agents: Properties and Synonyms. Springer Science & Business Media. pp. 178–. ISBN 978-94-011-4439-1.

  16. ^ Jump up to:a b c d e f ghttps://www.drugs.com/international/metenolone.html

  17. ^ Jump up to:a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t William Llewellyn (2011). Anabolics. Molecular Nutrition Llc. pp. 633–. ISBN 978-0-9828280-1-4.

  18. ^ J. Larry Jameson; Leslie J. De Groot (25 February 2015). Endocrinology: Adult and Pediatric E-Book. Elsevier Health Sciences. pp. 2388–. ISBN 978-0-323-32195-2.

  19. ^ Jump up to:a b Kicman AT (2008). "Pharmacology of anabolic steroids". Br. J. Pharmacol. 154 (3): 502–21. doi:10.1038/bjp.2008.165. PMC 2439524. PMID 18500378.

  20. ^ Kennedy, B. J.; Yarbro, John W. (1968). "Effect of methenolone enanthate (NSC-64967) in advanced cancer of the breast". Cancer. 21 (2): 197–201. doi:10.1002/1097-0142(196802)21:2<197::AID-CNCR2820210207>3.0.CO;2-R. ISSN 0008-543X. PMID 4952912.

  21. ^ Notter, G. (1975). "Treatment of Disseminated Carcinoma of the Breast by Metenolone Enanthate". Acta Radiologica: Therapy, Physics, Biology. 14 (6): 545–551. doi:10.3109/02841867509132696. ISSN 0567-8064. PMID 1224996.

  22. ^ van Breda E, Keizer HA, Kuipers H, Wolffenbuttel BH (Apr 2003). "Androgenic anabolic steroid use and severe hypothalamic-pituitary dysfunction: a case study". Int J Sports Med. 24 (3): 195–196. doi:10.1055/s-2003-39089. PMID 12740738.

  23. Miller CP, Shomali M, Lyttle CR, O'Dea LS, Herendeen H, Gallacher K, Paquin D, Compton DR, Sahoo B, Kerrigan SA, Burge MS, Nickels M, Green JL, Katzenellenbogen JA, Tchesnokov A, Hattersley G (February 2011). "Design, Synthesis, and Preclinical Characterization of the Selective Androgen Receptor Modulator (SARM) RAD140". ACS Medicinal Chemistry Letters. 2 (2): 124–9. doi:10.1021/ml1002508. PMC 4018048. PMID 24900290.

  24. ^ Yin D, Xu H, He Y, Kirkovsky LI, Miller DD, Dalton JT (March 2003). "Pharmacology, pharmacokinetics, and metabolism of acetothiolutamide, a novel nonsteroidal agonist for the androgen receptor". The Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics. 304 (3): 1323–33. doi:10.1124/jpet.102.040832. PMID 12604713.

  25. ^ Kearbey JD, Gao W, Narayanan R, Fisher SJ, Wu D, Miller DD, Dalton JT (February 2007). "Selective Androgen Receptor Modulator (SARM) treatment prevents bone loss and reduces body fat in ovariectomized rats". Pharmaceutical Research. 24(2): 328–35. doi:10.1007/s11095-006-9152-9. PMC 2039878. PMID 17063395.